.mais sobre mim

.actividade recentes

. Vamos lá por partes

. António Esteves

. Caixa de Pandora

. O alfaiate do Panamá

. Excelente blog de viagens

. Guerra e Paz

. Artigo publicado em que j...

. Geringonça

. As partes de um todo!

. Novo cartaz

blogs SAPO

.arquivos

. Julho 2016

. Junho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

Sexta-feira, 1 de Julho de 2016

António Esteves

Muito bom este artigo escrito pelo jornalista António Esteves, que ainda para mais faz o favor de ser meu amigo.

Publicado na RTP.

 

Não peças a quem pediu, nem sirvas a quem serviu

É um dos aspectos mais nefastos e perigosos de uma organização, o exercício do "pequeno poder" ou "poderzinho", muito em voga nos dias de hoje em Portugal e que nos alimenta as conversas diárias nos momentos de convívio mais distendido. Prometi a muitos dos meus interlocutores nestas conversas que um dia destes me dedicava ao tema nestas minhas crónicas. Cá vai.

Falamos da figura menor, pouco carismática e sem poder concreto que se faz valer de uma posição de favor ou favorável junto a quem manda de facto para poder "mandar". Notem que não usei a palavra comandar. Nem dirigir. Muito menos liderar. O objectivo é mesmo mandar, a ordem pela ordem, o poder "pequenino" sem sentido, criando a ilusão para si próprio de que tem capacidades e competências para dar ordens, e tentando criar a ilusão para os outros de que tem poder de facto.

São pessoas nefastas para as empresas e organizações, porque decidem sempre num sentido que não pretende melhorar a própria empresa ou organização mas apenas servir os seus próprios propósitos ou os propósitos das pessoas a quem pretendem agradar.

São pessoas nefastas para as empresas e organizações porque do alto da sua incapacidade, da falta de preparação e de competência mandam em pessoas capazes, preparadas e competentes, com todos os efeitos negativos que este tipo de situação comporta.

São pessoas nefastas para as empresas e organizações porque colidem com o verdadeiro poder, legítimo e legitimado e não raras vezes transformam-se numa barreira à produtividade e eficácia da própria organização criando entropias difíceis de ultrapassar que se vão acumulando e reforçando no médio prazo e que acabam por ter efeitos muitas vezes desastrosos.

São finalmente pessoas nefastas para as organizações e empresas porque pensam pequeno e sem horizontes, tentando manter o seu pequeno poder, e para isso estão dispostas a tudo. Não têm ética profissional nem princípios e valores.

O problema do país, de algumas empresas e organizações é um problema estrutural, de correcta definição de competências e simplificação de processos. Somos o país refém do pequeno poder e da entropia provocada por funcionários menores que podem decidir a vida das pessoas com uma simples assinatura que recusam ou com uma decisão que não tomam só porque sim.

Admiro-me com os que se admiram por sermos um país onde reina a corrupção e o tráfico de influências. Mas num Estado onde a burocracia fala mais alto e os pequenos poderes vão tomando decisões diárias sem que a organização e o seu funcionamento sejam as principais prioridades, não admira que exista quem se disponha a pagar para resolver as dificuldades do dia a dia ou a fazer tudo para agradar para disso tirar partido ou vantagem.

Somos um país que tem, estruturalmente, graves problemas de organização, sentido de hierarquia, de definição de competências ou de recompensa do mérito e da qualidade.

Já o escrevi aqui, somos um país adiado que em muitos casos faz tudo para que não avancem mudanças estruturais e reformas profundas. Porque há um imenso mar de pequenos poderes que se agitam e agigantam quando são colocados em causa, e porque entendemos sempre que vamos lá com pequenas recompensas. Mas os problemas de saúde graves não se resolvem com aspirinas.

Na verdade, como diz o povo, não há mal que sempre dure nem bem que perdure. A grave crise que enfrentamos, não apenas económica e política, mas social, de valores e ética, de qualidade e de competência, não pode durar sempre mas dura há tempo demais. Há um tempo para tudo, e o tempo é de renovação. Nacional e internacional. Mesmo que nem sempre os caminhos escolhidos possam ser os melhores e os mais indicados.

publicado por Tubarão às 14:42

link do post | comentar | favorito
|

.Facebook

Tu Barao

Cria o teu cartão de visita

.Benfica até debaixo de agua