.mais sobre mim

.actividade recentes

. Vamos lá por partes

. Vamos lá por partes

. António Esteves

. Caixa de Pandora

. O alfaiate do Panamá

. Excelente blog de viagens

. Guerra e Paz

. Artigo publicado em que j...

. Geringonça

. As partes de um todo!

blogs SAPO

.arquivos

. Novembro 2017

. Julho 2016

. Junho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

Sábado, 7 de Fevereiro de 2015

Clube Académico da Póvoa

Estão passados 34 anos desde que um conjunto de povoenses fundou "Os Académicos".

Uma vida de dedicação por parte de muitos que ainda lá continuam e vão continuar.

publicado por Tubarão às 08:34

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2015

PDM de Odivelas - Parte II

Acabou a apresentação do PDM !

Agora e depois do trabalho de gabinete vamos ao trabalho prático , ou seja, vamos por em acção todas as questões prementes que foram levantadas nas reuniões com a população.

Melhor do que ninguém essas pessoas sabem do que precisam ou, melhor dizendo, do que precisa a sua freguesia.

Na Povoa de Santo Adrião os povoenses fizeram eco de uma série de necessidades: arruamentos estruturantes, recuperação de escolas ( a velhinha escola primaria e a escola de madeira) infra-estruturas desportivas em falta como o campo de futebol, etcetc

A reunião foi no mês passado agora vamos ver quanto tempo necessitamos para que passem a projecto e depois sejam passados a prática.

Cá estaremos atentos e críticos pela NOSSA freguesia e sempre pela positiva.

publicado por Tubarão às 13:15

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2015

Susana Santos

Eu P&B.jpg

Barão das Neves, convidou-me para escrever um texto por ocasião de mais um ANIVERSÁRIO deste seu TU-BARÃO. Parabéns! 8 anos é uma longevidade muito respeitável para um Blogue. 8 anos de opiniões acutilantes sobre o quotidiano e a atualidade.

Opinar faz bem ao espírito e à democracia, por isso aqui fica o meu contributo de hoje.

Borgen, ou a insustentável leveza da igualdade

A RTP2 tem estado a transmitir uma série dinamarquesa, por sinal bastante interessante, chamada “Borgen”.

“Borgen” (Castelo ou Cidadela) é a gíria utilizada pelos Dinamarqueses para se referirem ao Palácio de Christiansborg, sede dos três poderes do Estado – legislativo, executivo e judicial.

O enredo desenvolve-se à volta de uma mulher, Birgitte Nyborg, líder do “Partido Moderado” que, numa reviravolta dramática, vence as eleições legislativas e torna-se primeira-ministra da Dinamarca.

A par de toda a trama política que envolve uma coligação de governo formada por 3 partidos, bem como das questões de comunicação e relação com a imprensa, temos as dificuldades de gestão da vida íntima e familiar de uma mulher que aprende depressa e rapidamente demonstra ser exímia no seu cargo.

Mas esse mesmo cargo traz um preço pesado para a família, com um marido que se sente “castrado” no seu casamento e na sua vida profissional e filhos que não têm a atenção maternal que supostamente deveriam ter.

Interrogo-me com frequência se este ângulo familiar, que, sem dúvida, adensa e humaniza o argumento, seria o mesmo ou teria o mesmo peso dramático se o personagem central fosse um homem.

Teríamos a mesma simpatia por uma mulher que tem de tratar dos filhos, organizar a casa e contentar-se com uma carreira de professora, recusando outros desafios mais aliciantes, enquanto o marido passa a maior parte do tempo a governar a Dinamarca?

Prefiro pensar que sim. Gosto de séries sobre mulheres em lugares de poder mas ainda está para vir a série que coloca as questões da igualdade também no masculino.

Porque este é um mundo de mulheres e homens e a TV imita a vida. Não é?

susana.jpg

 

Susana Santos

tags:
publicado por Tubarão às 08:03

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2015

oh almas do outro mundo...................

.....agora estão calados com as imagens, horríveis, de um homem a ser queimado dentro de uma jaula.

Escrevam agora conforme costumam escrever quando algo acontece relativamente a quem não suportam !

Cobardolas !!!

 

publicado por Tubarão às 13:24

link do post | comentar | favorito
|

Os amigos de Alex(is)

A vitória do Syriza provocou nos partidos políticos portugueses, de esquerda, uma enorme onda de entusiamo.

No dia das eleições todos eles, do PS ao BE, quiseram montar o cavalo grego da vitória.

Com o anunciar da coligação grega governamental, todo esse entusiasmo virou calculismo e até frieza.

Claro que a escolha dos gregos, num partido com um discurso radical, deve ser objeto de muita ponderação pelos dirigentes da UE, pois o mesmo “está previsto” acontecer aqui ao lado, em Espanha, com o Podemos.

Estas votações são a resposta dos povos contra as políticas seguidas pela Europa e impostas aos governos em dificuldades. Na verdade, convêm introduzir preocupações de natureza social nestas políticas não podendo com a questão do défice branquearmos situações de desemprego ou de fome.

Claro que temos de pagar, essa questão pelos vistos até já nem se coloca ao novo primeiro-ministro grego, mas não podemos pagar com a agonia do quem tem fome e de quem não tem trabalho.

Lá, como cá, muitos exageros foram cometidos.

Acontece que na Grécia a crise foi fabricada por um conjunto de irresponsáveis como não há memória. Durante anos andaram a enganar a União Europeia. Ele era a atribuição de reformas aos 50 anos de idade para cabeleireiras (mero exemplo), era atribuição de deficiência a largas camadas da população (só em Zaquintos metade da ilha é habitada por deficientes……….que o não são) etc, etc.

Claro que austeridade grega atingiu valores e medidas que a Portugal não chegaram mas também os gregos viram a divida perdoada em 100 mil milhões de euros pelo que Alex Tsipras tem de começar por arrumar a casa antes de qualquer outra medida.

Sempre com a ajuda e também a compreensão dos dirigentes alemães e franceses que terão de perceber que se a Grécia sair do euro este corre riscos até hoje nunca imaginados.

Os amigos do primeiro-ministro grego não são de certeza os russos. Esses tentam, com esta aproximação, que as atenções se virem para este “namoro politico” quando são os responsáveis pela guerra que se instalou na Europa.

José Barão das Neves

Artigo publicado na 2 feira em www.radiocruzeiro.pt

publicado por Tubarão às 12:22

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2015

Maria de Fátima Amaral

ch.jpg

 

Não sei o que se passou entretanto mas, quando eu era criança, as nuvens eram melhores. Havia dias de sol com muitas e enormes nuvens e era excelente. Chamava pelo meu avô e sentados no muro no ponto mais alto do Clube Nacional de Natação, ali mesmo escrevíamos histórias no céu. Histórias fantásticas nas quais os protagonistas tinham movimento.

O vento também, por vezes, dava muito ritmo aqueles protagonistas feitos de nuvem.
Com aquela forma simples de fazer histórias aprendi que a terra girava e só não entendia como é que eu e o meu avô e todos os outros conseguíamos estar em cima da " bola" sem cair. Aprendi depois na escola. Mais uma vez de uma forma simples! Com uma laranja enfiada num lápis. Nunca mais esqueci e ficou para mim claro que quando cai de uma figueira foi puro azar meu porque a gravidade segurava-me.
Vem tudo isto a propósito das minhas ruas de infância: a rua de São Bento, a rua Nova da Piedade, a calçada da Estrela, a avenida Dom Carlos I e o Largo de Santos porta de entrada no Tejo.
Passado quase meio século, todas estas ruas fazem de novo parte do meu dia a dia e penso que a terra é mesmo redonda. Sempre voltamos ao ponto de partida...
Hoje erguem-se "muros monstruosos" que nos tapam o Tejo e dificultam o brilho que dele se projecta para a cidade.
Talvez um dia nasçam mais crianças com vontade de fazer histórias no céu e derrubem estes "muros monstruosos" cuja foto aqui deixo.
E também tudo isto vem a propósito do Barão das Neves. Como? Aqui ao meu lado resta ainda de pé aquilo que foram os emblemáticos armazéns do Conde Barão. Tudo está por todo o lado meu caro Barão das Neves! Acredite que admiro a sua persistência, o seu sentido de humor. Parabéns por mais um ano de blogue! Até um destes dias.

manuel_monteiro_-_entrevista1.jpg

 

Membro da Assembleia Municipal de Loures eleita pela CDU

Técnica Superior no SIMAR



 
 
 
 
tags:
publicado por Tubarão às 09:45

link do post | comentar | favorito
|

.Facebook

Tu Barao

Cria o teu cartão de visita

.Benfica até debaixo de agua